a-b-a-b

A minha veia poética está deprimida.
Olha pela janela e suspira,
pálida e desenxabida
chora, pois deixou de ser gira.

A vida era uma festa,
no antigamente:
mostrava um palminho de testa
e era logo a maior adolescente.

Agora, já pouco escreve.
Ultrapassada como a videocassete,
dizem, já tem o cérebro muito leve
(coitada, já tem quase 27).