notes on BCN


O dear chiclete foi a Barcelona ver em que condições desesperadamente erásmiscas vivia a Sofia e para aguçar o desejo devorador de Setembro.

Descobri que:

- o dia em bcn começa às 5 da tarde
- a sofia dorme em camas feitas para senhoras corcundas de 85 anos (mas que são muito práticas para ver how i met às 4 da manhã)
- já não sou uma vergonha total a comer com pauzinhos (o truque é levá-los à boca, quando as outras pessoas estão a olhar para o lado)
- as hospedeiras da vueling com o seu lenço amarelo tudo menos catita são a raça, em toda a Terra, que eu mais temo (o truque é evitar olhá-las nos olhos, manter cabeça baixa e tudo correrá bem)
- só entendo o espanhol falado pelos não-espanhóis, para todos os restantes recorro ao prático Sofia, ele está-te a perguntar qualquer coisa
- a inspiração fruto do pânico de última hora continua a ser a melhor solução para a realização de bonitos e completos projectos académicos (dentro ou fora de portugal)
- uma casa cheia de gotas gordas sinistras de sangue por todo o lado não significa que morreu alguém, apenas que se fez um cortezinho no dedo (ainda bem que fui comigo e não com a carocs)